agricultura

Cafés conilon e robusta somam 662 mil sacas enviadas ao exterior em um único mês

19 nov 2023 - 10:41

Redação Em Dia ES

Agência Safras

Share
Os cafés conilon e robusta, com 662 mil sacas enviadas ao exterior, tiveram sua segunda melhor performance para um único mês na história e cresceram 479,5% sobre outubro de 2022
Exportações brasileiras de café somaram 4,356 milhões de sacas de 60 kg em outubro, volume 21,8% maior que o de outubro de 2022. Foto: Pixabay

As exportações brasileiras de café somaram 4,356 milhões de sacas de 60 kg em outubro, volume 21,8% maior que o de outubro de 2022. A receita, porém, recuou 2,5% na mesma comparação, a US$ 847,2 milhões, informou há pouco o Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé).

O presidente da entidade, Márcio Ferreira, considerou o desempenho “bastante positivo” – o mês passado foi o segundo melhor outubro nos últimos cinco anos. “Os cafés conilon e robusta, com 662 mil sacas enviadas ao exterior, tiveram sua segunda melhor performance para um único mês na história e cresceram 479,5% sobre outubro de 2022”, destacou o Cecafé em nota.

Segundo Ferreira, problemas nas safras de outros produtores de canéfora levaram compradores a se voltarem para o Brasil, que segue competitivo no mercado global.

“O próprio Vietnã e a Indonésia estão buscando nossos cafés, com as exportações a esses países produtores avançando 565,3% e 123,2%, respectivamente, no acumulado de janeiro a outubro deste ano”, explica. Ferreira destaca, ainda, o crescimento nos embarques para o México. “Os mexicanos ampliaram em 432,4% as importações de nossos cafés verdes, já adquirindo 341,5 mil sacas do produto no acumulado de 2023.”

O presidente do Cecafé voltou a destacar os entraves logísticos na exportação, como a menor disponibilidade de contêineres e atrasos recorrentes de navios. Relatório Detention Zero (DTZ), elaborado pela Ellox Digital em parceria com o Cecafé, mostrou que o índice de atrasos de navios no Porto de Santos (SP) veio se agravando gradativamente nos últimos meses e chegou a 76% em outubro, o maior porcentual apurado neste ano.

“Esses problemas resultam em adiamentos regulares de embarques e pátios abarrotados de contêineres nos terminais portuários santistas, que estão com dificuldades para receber cargas devido a limitações físicas de espaço no terminal. Com embarques volumosos e crescentes de açúcar, algodão, soja e milho no segundo semestre, por exemplo, os entraves se agravaram e seguem causando preocupação quanto ao retorno à normalidade das operações”, afirma Ferreira no comunicado.

Ainda de acordo com ele, a origem desses atrasos nos navios no Porto de Santos se deu com a ocorrência de ciclones e tempestades tropicais na Região Sul. “Essas adversidades climáticas estão impedindo as embarcações de atracarem nos portos sulistas, o que vem causando o acúmulo de cargas nos demais portos brasileiros, como no complexo portuário santista, por exemplo”, explica.

Safra 2023/2024
Com o desempenho aferido em outubro, os embarques no acumulado dos quatro primeiros meses do ano safra 2023/24 subiram para 14,394 milhões de sacas, apresentando evolução de 16% sobre idêntico período na temporada antecedente e registrando o segundo melhor resultado nos últimos cinco anos. Já a receita recuou 3,9% no mesmo intervalo comparativo, chegando a US$ 2,854 bilhões.

Ano Civil
No acumulado de janeiro ao fim de outubro de 2023, as remessas de café do Brasil ao exterior totalizaram 30,624 milhões de sacas, rendendo US$ 6,403 bilhões em divisas. Em relação à performance nos 10 primeiros meses de 2022, há quedas de 5,5% em volume e de 16% em receita cambial. “Esse resultado provavelmente reflete os problemas logísticos que vêm crescendo gradativamente ao longo deste ano”, aponta o presidente do Cecafé.

Principais Destinos
Os Estados Unidos permanecem como o principal destino dos cafés do Brasil no acumulado deste ano, apesar de uma redução de 25% frente ao desempenho de 2022. Os norte-americanos importaram 4,961 milhões de sacas, volume que representa 16,2% dos embarques totais entre janeiro e outubro.

A Alemanha, com representatividade de 12,2%, adquiriu 3,748 milhões de sacas (-34,7%) e ocupou o segundo lugar no ranking. Na sequência, vêm Itália, com a compra de 2,484 milhões de sacas (-10%); Japão, com 1,883 milhão de sacas (+22,7%); e Bélgica, com 1,640 milhão de sacas (-34,9%).

Figurando em décimo lugar no ranking dos principais parceiros comerciais dos cafés do Brasil, a China se mantém como destaque positivo em 2023. Até o fim de outubro, os chineses importaram 918,9 mil sacas no período, incrementando em 187,3% suas aquisições na comparação com o mesmo período do ano passado.

Em análise por continentes, o desempenho positivo de China, Japão e também da Turquia (+37,5%) favoreceram a recuperação das exportações dos cafés do Brasil à Ásia, que avançaram 37,5% nos 10 primeiros meses de 2023 e chegaram a 6,629 milhões de sacas, o que corresponde a 21,6% das exportações totais do produto até o momento.

Tipos de Café
De janeiro ao fim de outubro de 2023, o café arábica permanece como o mais exportado, com 24,237 milhões de sacas, o que corresponde a 79,1% do total. A variedade canéfora (conilon + robusta) teve o correspondente a 3,265 milhões de sacas embarcadas no intervalo, com representatividade de 10,7%, seguida pelo segmento do solúvel, com 3,081 milhões de sacas (10,1%) e pelo produto torrado e torrado e moído, com 41.733 sacas (0,1%).

Cafés diferenciados
Os cafés que possuem qualidade superior ou certificados de práticas sustentáveis responderam por 16,9% das exportações totais brasileiras do produto no acumulado deste ano, com o envio de 5,183 milhões de sacas ao exterior. Esse volume representa recuo de 9,6% frente ao registrado entre janeiro e outubro de 2022.

O preço médio do produto diferenciado foi de US$ 233,20 por saca, gerando uma receita cambial de US$ 1,209 bilhão nos 10 primeiros meses de 2023, o que corresponde a 18,9% do obtido com os embarques totais de café. No comparativo anual, o valor é 25,6% inferior ao aferido em idêntico intervalo do ano passado.

No ranking dos principais destinos dos cafés diferenciados até outubro, os EUA estão na liderança, com a aquisição de 1,152 milhão de sacas, o equivalente a 22,2% do total desse tipo de produto exportado. Fechando o top 5, aparecem Alemanha, com 788.682 sacas e representatividade de 15,2%; Bélgica, com 517.602 sacas (10%); Holanda (Países Baixos), com 321.996 sacas (6,2%); e Reino Unido, com 250.925 sacas (4,8%).

Portos
O complexo portuário de Santos (SP) permanece como o principal exportador dos cafés do Brasil em 2023, com a remessa de 22,179 milhões de sacas ao exterior, o que corresponde a 72,4% do total. Na sequência, aparecem os portos do Rio de Janeiro, que respondem por 23,4% dos embarques ao terem remetido 7,156 milhões de sacas, e Paranaguá (PR), com a exportação de 406,4 mil sacas e representatividade de 1,3%.

0
0

Atualizado 10 dez 2023 - 23:00

Se você observou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, nos avise. Clique no botão ALGO ERRADO, vamos corrigi-la o mais breve possível. A equipe do EmDiaES agradece sua interação.

Comunicar erro

* Não é necessário adicionar o link da matéria, será enviado automaticamente.

A equipe do site EmDiaES agradece sua interação.